top of page

VOCÊ SENTE PRAZER NO QUE FAZ?


O que te dá prazer?

O homem não é resultado de uma imposição, mas de si mesmo, ou seja, suas ações decorrem da sua própria vontade, seu auto esclarecimento e suas escolhas.

A partir do manejo dessas ações ele busca atingir o prazer. Mas, o que é o prazer?

O significado de prazer, nada mais é, do que uma sensação agradável ligada à satisfação do seu desejo.

Logo, nunca é cedo ou tarde demais para praticar a “filosofia do prazer” em busca do caminho da felicidade.

Epicuro, filósofo grego, diz que o destino das pessoas é constituído por elas mesmas, ou seja, somos nós que construímos o nosso próprio caminho.

Portanto, é necessário eliminar o temor da alma e parar de transferir à entidades transcendentais, aquilo que é da nossa responsabilidade.

“Deus vai fazer eu sentir prazer nessa escolha.”

E se você tivesse apenas um ano a mais de vida para realizar escolhas, o que você faria?

“Eu deixaria de ser um mero espectador e passaria a sentir mais prazer nas pequenas coisas, relacionadas ao espetáculo chamado vida.”

Hum! Então quando o tempo “aperta”, você “deslancha” rapidamente. Isso me lembra o meu último texto, em que eu te perguntei: "o que é a morte?"

Visto que, a consciência da morte, te dá uma maravilhosa lucidez, pois ela te convida a buscar os caminhos da sua própria existência.

E quando a morte chega, nós já não estamos, isto é, já é tarde demais para buscar o prazer. Assim, podemos concluir que o temor da morte é um dos elementos que assola a alma.

Entretanto, não é necessário temer a morte, mas sim cuidar do presente, do nosso dia a dia, em prol de exercer melhor a “filosofia do prazer”.

E segundo Epicuro, o prazer é o princípio e o fim de uma vida feliz. Logo, o sentimento do prazer deve suceder a uma reflexão.

Ou seja, o uso da prudência possibilita uma vida equilibrada, no uso adequado dos nossos sentidos. Não é ter prazer apenas por prazer, mas um prazer mais contínuo e refletido.

Você entraria numa caverna com uma placa na entrada dizendo: “perigo, não entre”?

“Sim! Não penso no resultado, só no meu prazer imediato.”

Não é nesse sentido que o filósofo se refere ao prazer, mas sim poder acordar, tomar um café e ir trabalhar, por exemplo.

E só notamos que isso é de fato um prazer, quando a dor interrompe esse estado habitual.

Então o prazer, não é o descontrole dos sentidos, pelo contrário, é a moderação em relação aos nossos desejos, por isso é necessário também educá-los.

Portanto, na visão de Epicuro, não há necessidade de buscar prazer em coisas extraordinárias, pois o prazer está em nossas próprias mãos, afinal ele é o próprio ato de viver.

E por onde anda esse seu verdadeiro “eu”, que diante da indagação sobre o que é prazer, admite que seu principal defeito, é procurar o perigo?

A vida é mais intensa, quando ela se desenvolve em um estado puro, sem atritos, que te liberta das contradições da existência.

“Eu não vou seguir esse caminho, em razão do alerta de perigo, afinal posso não voltar.”

E se as pessoas soubessem ler a si mesmas, é bem possível que as terapias se transformassem em concertos de poesias.

Kierkegaard, poeta e filósofo dinamarquês, afirmou:

“A maioria dos homens persegue o prazer com tanta impetuosidade que passa por ele sem vê-lo.”

“Isso é verdade!”

Pois é! Então, por que você vive buscando o prazer a qualquer custo?

“É fácil questionar, quero ver ensinar a praticar.”

A prática inicia-se com a qualidade das nossas decisões existenciais. E o homem é o único responsável pelo modo como entenderá a realidade.

Assim, a maneira que Epicuro enfatiza para alcançar a tão sonhada felicidade é através da serenidade de espírito, aquela que é livre de dor ou qualquer sofrimento corporal.

Por essa razão, é necessário educar os desejos, a fim de manter saudável a sua vida corporal e mental.

Afinal, o alimento mais simples como o mais requintado proporcionam o mesmo prazer para quem é saciado.

Já ouviu falar naquela frase? “A fome é o melhor tempero.”

Então! Que tal aprender com a filosofia de Epicuro, dando valor às coisas simples, sem o viés do perigo, inclusive, de uma morte iminente.

Compreendendo que o verdadeiro prazer é aquele que proporciona um bem-estar para o corpo, mente e alma.

O que você acha?


Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page