top of page

COMO REALIZAR UMA ESCOLHA?


Por que é tão difícil escolher? Quer saber como acertar nas suas escolhas?

A reflexão é uma ação que concede aprendizagem a quem a realiza constantemente.

Refletir é a capacidade de se voltar a si mesmo, olhar para as suas intenções, elaborar estratégias de intervenção, na fascinante construção do “eu".

É um processo que te permite adquirir maior consciência e controle sobre o que faz e deixa de fazer.

“Já fiz geografia e direito, mas ainda não me encontrei. Faltou reflexão diante das minhas escolhas.”

Essa nitidez, te permite uma atitude mais assertiva, à medida que as coisas não são feitas de forma automática, robótica.

“Por que eu não refleti sobre essas escolhas?”

É importante nos reconhecermos naquilo que fazemos.

“Depois da segunda graduação, resolvi fazer Psicologia. Dessa vez, refleti bastante, mas fui muito criticado por fazer mais um curso superior.”

Posso até não acertar de imediato, mas sou o autor da minha vida, devo escolher por mim mesmo, independentemente de uma decisão impopular.

E as pessoas com essa consciência, se preparam e são capazes de acertar a sua trajetória.

Não se arrependa do caminho que te constrói, que não deixa de ter influências externas, mas que existe autonomia para você seguir consciente e com sentido.

As pessoas capazes de refletir com frequência, sobre o seu conjunto de experiências, transformam as situações da vida em conhecimento e acertam nas suas escolhas.

Pois, não apenas identificam o como fazer, mas também o quando fazer. Essa é uma demonstração de foco, que é um passo que vai além da mera execução.

Afinal, o foco é fazer com consciência e não apenas fazer por fazer, com o intuito de apenas cumprir uma tarefa, uma indicação ou ganhar dinheiro.

A ideia de propósito está marcada pelo conceito de realização. Essa palavra realizar, significa tornar real.

E quando você realiza algo, está dando conta de si, daquilo que faz e precisa ser feito, pois, não há nada pior do que o arrependimento, a memória do gesto não realizado.

É nessa hora, que percebemos que aquilo que realizamos marca a capacidade da nossa consciência e gera felicidade.

Isso exige autoconhecimento! E é preciso ter noção do que se é capaz e do que não é.

Sobretudo, para buscar informação, força e competência nos pontos que ainda estão defasados, a fim de executar uma ação promissora, que te dê sentido.

“Então, por que você escolheu Geografia e logo em seguida Direito?”

Porque eu não sabia da importância do autoconhecimento.

O autoconhecimento é um processo necessário e fundamental para você se encontrar e melhorar sua assertividade na vida.

E trata-se de um processo aberto, pois tudo que acontece em nossa volta, nos afeta e pode nos influenciar, e levar para outra direção.

Ninguém passa ileso pela vida ou pelo menos não deveria passar. Uma pessoa sábia é aquela que recusa a mediocridade.

Aquela que não se satisfaz com o nível mediano, naquilo que realiza. É o tal do “mais ou menos”.

Mais ou menos competente, capaz e ativo “nisso”. A sabedoria tem a ver com a capacidade de erguer a si mesmo. De não se contentar com o patamar em que está.

De melhorar as suas possibilidades. E o melhor não é escalar, pois, isso é ser: ótimo, bom, regular, ruim e péssimo.

“Eu fui um ótimo Assistente Administrativo, mas depois que assumi a chefia, não passo de um chefe regular. Fico imaginando, se eu chegar no cargo de Diretor?”

Compreende?

“Sim! Mas como sair da zona de conforto?”

O melhor é a atitude! No sentido de atuar e resolver os problemas que bloqueiam a jornada do autoconhecimento.

É colocar-se num ponto acima, permitindo que afaste e recuse a mediocridade, a mesmice. Se for o caso, procurando ajuda profissional.

Faça com que a autoria da sua caminhada, do seu trajeto, se dê, não apenas como uma passada, mas que você seja capaz de realizar.

E quando chegar ao seu objetivo, não descanse! Seja melhor que antes, pois, isso marca novamente a ideia do ponto de partida.

Cortella diz que “só é um bom ensinante, quem também for um bom aprendente.”

Cora Coralina, escreveu: “feliz daquele que ensina o que sabe e aprende o que ensina.”

E você? O que tem para ensinar e aprender?

O que está realizando com as suas escolhas?

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


Post: Blog2_Post
bottom of page