É POSSÍVEL DESTINAR-SE?


Qual é o seu destino? Isso importa?

Vou contar uma história pra você.

Na mitologia grega, na Cidade de Tebas, um Rei teve um filho, e este foi consultar o oráculo, aquela figura da antiguidade que tinha o poder de profetizar.

A profecia foi terrível, o oráculo informou ao Édipo que ele mataria seu pai e se casaria com sua mãe.

A história de Édipo é interessante porque o Rei, seu pai, manda pendurá-lo num monte para que tivesse seus pés furados e morresse.

No entanto, Édipo é resgatado por um Pastor. Este o cria sem que Édipo saiba que é um príncipe, filho de um Rei.

Quando ele descobre sobre a profecia, foge da casa do Pastor, porque não quer matar seu pai, que ele imaginava que era o Pastor.

Em uma estrada se encontra com um homem mais velho, que ele não sabia, mas era o Rei, seu verdadeiro pai. Há uma discussão e ele acaba se desentendendo e matando esse homem.

No caminho para Tebas encontra um monstro que atacava essa cidade. Esse monstro, uma esfinge, faz um enigma muito difícil para as pessoas.

Fala de um animal que pela manhã anda de quatro patas, à tarde anda sob duas e à noite, três. E ninguém conseguia desvendar esse mistério.

Édipo reflete sobre isso e responde que esse é o homem, que na infância (manhã) engatinha, na vida adulta (à tarde) anda sob dois pés e à noite com uma bengala, ele possui “três patas”.

Diante da elucidação de Édipo, a esfinge se mata e ele entra em Tebas tendo livrado a cidade do monstro. E como a cidade está sem o Rei, que havia acabado de morrer, ele é dado em casamento a Rainha, que é sua mãe Jocasta.

Observe que Édipo tentou escapar do destino, mas não conseguiu!

Ele não queria matar o pai e nem se casar com a mãe, mas por mais que ele fugisse dessa fatalidade, esta o alcançava.

Nós somos homens do século XXI, de uma sociedade não grega, contemporânea, cristianizada, sendo que talvez o grande escândalo dessa história para nós, seja Édipo ter matado o pai e casado com a mãe.

Então como somos uma sociedade cristianizada, ficamos mais horrorizados com o filho deitado com a mãe, conhecido como incesto.

Para os Gregos do século V, o problema é Édipo ter tomado o trono que não deveria ser dele. Portanto, o foco estava em quem matou o Rei, figura esta que detinha o poder legítimo da época, e não de alguém que eliminou o pai e se casou com a mãe.

No século XX, Freud vai retomar essa história grega e Édipo vai representar a fixação de um filho na mãe, o chamado Complexo de Édipo, mas o mito grego não menciona isso.

Assim, parece que os mitos são apropriados de acordo com a nossa concepção, ideologia ou crença, a partir de uma fonte que necessariamente não estava preocupada com determinada visão.

Então, você pode estar pensando: Édipo é uma peça política ou um elemento psicanalítico? Vai depender da sua referência, mas o objetivo desse texto não é adentrar nesse mérito. Longe disso!

O que gostaria de destacar, independentemente de qualquer ideologia edipiana, é sobre o destino de Édipo retratado no mito.

Se a palavra “destino” tem o sentido de algo que é estabelecido para alguém, teria Édipo como mudar sua história de vida?

Na Mesopotâmia, o destino era determinado pelas estrelas. Na mitologia grega, por três irmãs, conhecidas como Moiras, que exerciam influência sobre homens e deuses.

Em árabe, "maktub" significa “já estava escrito”, ou seja, algo já estava predestinado. No cristianismo, o destino vem da vontade de Deus.

Observamos também, que através dos tempos, pensamentos e correntes filosóficas modificaram o conceito de destino.

Mas, se referirmos ao destino como algo que está predestinado, é possível que muitas pessoas não acreditem que isso exista.

E nós escutamos muito a expressão: “sem destino”, que se refere a alguém que “vive ao acaso” ou que “fulano é dono do seu próprio destino.”

A questão pela qual esquecemos de refletir, apesar de todas as condições, referências e conceitos descritos neste artigo, é: o nosso caminho não seria mais importante do que o destino em si?

Está contigo o “destino reflexivo” desse artigo.

Boa jornada!


226 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo